O POVO CHORA E MORRE SEM SABER POR QUÊ

 

Quantas vezes durante uma missa você viu alguém chorar? E quantas vezes você chorou? Ou, ao menos, sentiu vontade e segurou?

Uma música, uma imagem, uma passagem bíblica, uma pregação especial ou uma mensagem e quando apagam as luzes para que o padre caminhe com Cristo em meio às pessoas?

Para algumas pessoas ali presentes isso não faz diferença, pode ser bonito, mas não passa disso, elas voltam para suas casas e no dia seguinte nem se lembram daquele momento.

Para outras, a mensagem entra pelos ouvidos e olhos e fica guardada em seu interior e, de vez em quando, volta uma ou outra coisa dependendo da situação que ela estiver passando e, talvez, essa lembrança ajude a resolver um problema.

Para outras, é momento para refletir, às vezes um pequeno detalhe pode fazer lembrar um assunto pendente, aquele que não teve um ponto final, só ficou na vírgula, naquele momento toma coragem e decide: quando eu sair daqui, vou resolver.

Para outras, é momento de grande comoção, choram, se jogam no chão, se desesperam.

 

Cada pessoa tem uma reação, uma visão diferente da mesma coisa, por quê? 

Esses ambientes que produzem forte apelo, emocional podem acessar em nosso interior, emoções e sentimentos que nem sabíamos que estavam ali, são emoções às vezes não expressadas, dores reprimidas, as desilusões, desencantos, fracassos, traumas, perdas, humilhações, incompreensões, injustiças, maus tratos. As pessoas se identificam com algum momento ou não, dependendo do grau de sensibilidade, história e momento de cada pessoa.

Um exemplo: um povo sofredor, explorado, humilhado, que não tem vez, que não tem voz nem valor; se identifica mais facilmente com a paixão de Jesus e com Nossa Senhora das Dores. Já, quem está doente, busca auxílio com Nossa Senhora da Saúde, quem está deprimido, busca a luz do Espírito Santo, quem tem um animal doente pede a São Francisco de Assis... Há uma conexão e uma correspondência, onde, religião não são só rituais religiosos, a nossa vida inteira esta impregnada de religião, de religação com Deus e com os irmãos – religião é religar, é ligar o que estava separado, e isso, pode acontecer de forma arrebatadora no momento da ligação ou depois, durante o sono a pessoa acorda com vontade de fazer algo, procurar alguém, ou, simplesmente acorda em paz, enquanto outras são como a água que vai batendo na pedra até conseguir furar.  

 

É válido então, criar esses ambientes para que as pessoas se abram?

Sim, para criar uma catarse, um ambiente para a purificação interior, mas não se deve acentuar demais essa interiorização, pois não se mexe em uma ferida sem saber curá-la. Pessoas muitos sensíveis, com problemas muito difíceis de resolver, podem se perder ainda mais em seu labirinto e afundar mais, por isso, deve ser tratada com muita prudência e medida a elaboração desse tipo de momento. No meio está a virtude, nem tanto ao mar, nem tanto a terra.

 

As doenças físicas podem vir do campo emocional?

Pense:

Quando você toma um susto (susto é emoção), sua respiração muda, o coração acelera, você fica branco...
Quando ficamos com vergonha, ficamos vermelhos... 
Quando ficamos com muita raiva, ficamos muito fortes e não damos importância à dor...
Quando alguém que amamos aparece, nosso coração dispara...
Quando ficamos muito tensos, sentimos dor de cabeça...
Quando algo é importante demais, suamos frio... 

Isso prova que suas emoções se refletem diretamente, e em alguns casos imediatamente, em seu físico, e se as emoções não forem bem administradas, dosadas e tratadas, e forem se acumulando... Elas podem criar ramificações no campo físico, dói aqui, dói ali, trata aqui aparece ali, e o médico não cura, remédio de laboratório não funciona e nenhum equipamento, por mais moderno que seja, acusa coisa alguma.

Acomunidade científica internacional, vem há décadas vendo a saúde com novo significado: saúde é o bem estar físico, psíquico e social da pessoa.

A psoríase é uma doença de pele crônica, que está diretamente ligada a distúrbios emocionais. A gastrite também, se você tem uma gastrite que não tem remédio que dê jeito, talvez você esteja muito nervoso e seja o caso de acalmar-se para que o medicamento faça efeito.

A dor, é uma tentativa da natureza de reagir, representa um grito de socorro, mas, nem sempre ela consegue reagir sozinha, tem que ter um auxílio externo, seja da ciência com médicos e remédios, seja do emocional com terapeutas e psicólogos, ou, seja religioso com padres, pastorais e orações, pois, se a pessoa tem doença e não sente nada ela morre sem saber que estava doente. Mas se ela descobre e trata, sua vida pode não só ser mais longa, mas principalmente, ter uma qualidade muito melhor.

 

Pe. Orlando Rodrigues, CP

Buscar

Paroquia Imaculado Coracao de Maria
Rua Orestes Bongiovani, numero 10, Sao Silvano, Colatina - ES
CEP 29703-110 Fone: (27) 3721-2075
PASCOM - Pastoral da Comunicacao picmaria.com